Diocese do Funchal - Ano Pastoral 2018 / 2019 - "Ser Cristão, viver em Missão" Ano Missionário extraordinário: "Todos, tudo e sempre em Missão"

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Homilia de D. António Carrilho, Bispo do Funchal, na Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo

Eucaristia, dom do Pai para a vida do mundo!

Este ano, a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo celebra-se com o tema “Eucaristia, dom do Pai para a vida do mundo”. Na verdade, a Eucaristia, dom generoso de Cristo, Filho de Deus, é realmente um dom do Pai, porque é o Pai, como nos recorda S. João, que nos dá o verdadeiro Pão do Céu (cf. Jo 6,32).
Integrada nas celebrações Jubilares dos 500 Anos da Criação da Diocese do Funchal, ao fazermos memória da sua vida espiritual e missionária, somos conduzidos ao Coração Eucarístico de Cristo. É a Eucaristia que faz a Igreja e a Igreja que faz a Eucaristia. Em comunhão eclesial, celebramos, louvamos e adoramos o Sacramento do Altar, que prolonga e projecta, ao longo dos séculos, o mistério da Encarnação e Redenção do Verbo de Deus.
A Eucaristia, o maior tesouro da Igreja
A palavra, que escutámos no Livro do Deuteronómio (8,2-3.14-16), convida-nos a ler a própria vida, no hoje da história, em chave teológica, e a celebrar, todos os dias, o memorial das maravilhas do Senhor. Assim disse Moisés ao Povo: “Hás-de recordar todo esse caminho que o Senhor, teu Deus, te fez percorrer, durante quarenta anos no deserto…” (Deut 8,2).
Hoje, como outrora, a surpresa e a gratuidade do Deus da Aliança estão sempre presentes em todas as circunstâncias e situações da nossa vida concreta. Deus não falta: Ele está presente na travessia dos desertos da nossa história, nos sofrimentos e nas carências, bem como na prosperidade, com a abundância das Suas bênçãos e dons, apontando sempre para a esperança de um futuro melhor. “Foi Ele quem, da rocha dura, fez nascer água para ti e no deserto te deu a comer o maná…” (v.16). Por isso, também nós podemos cantar a bondade e os louvores do Senhor, repetindo com o salmista: “Jerusalém louva o teu Senhor” (Sl 147)...

terça-feira, 21 de junho de 2011

Solenidade do Corpo de Deus - Dia 23 de Junho de 2011 - Celebração Eucarística 18h - na Praça do Município, seguida de Procissão

CONVITE
Convidam-se todos os movimentos e associações das Paróquias da Diocese, confrarias do Santíssimo Sacramento, irmãos com as insígnias do Espírito Santo e as saloias, crianças da primeira comunhão com os seus fatos brancos, Escolas e colégios católicos, religiosos, acólitos seminaristas, sacerdotes e todo o restante Povo de Deus, a participarem na GRANDE SOLENIDADE DO CORPO DE DEUS, que terá lugar, pelas 18 horas, em frente à Igreja do Colégio, com Eucaristia presidida por Sua Excelência Reverendíssima D. António Carrilho, Bispo do Funchal, seguidade Procissão.
ITINERÁRIO DA PROCISSÃO
Igreja do Colégio - Rua Câmara Pestana - Avenida de Zarco - Avenida Arriaga - Rotunda do Infante (pelo interior) - Rua Jerónimo Dias Leite - Avenida do Mar (faixa Norte) - Avenida de Zarco (até à estátua) - Avenida Arriaga (sobre o passeio) - Adro da Sé.
ORDEM DA PROCISSÃO
Corpo Nacional de Escutas
Escoteiros de Portugal (AEP)
Guias
Brigada Marítima
Movimentos Juvenis
Outros Movimentos Laicais
Alunos das Escolas e Colégios Católicos
Religiosas
Banda
CRUZ PROCESSIONAL
Crianças vestidas de branco
Insígnias do Espírito Santo e saloias
Irmãos do Santíssimo Sacramento
Acólitos
Seminaristas
Sacerdotes
Pálio com Santíssimo Sacramento
Autoridades
M.E. Comunhão
Banda
Restante Povo de Deus

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Fátima, quarta-feira, 15 de Junho de 2011 - Comunicado do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa a propósito do momento presente da Sociedade Portuguesa, texto divulgado após reunião da CEP

Os cristãos e todos os portugueses sabem que nós, Bispos e sacerdotes, evitamos tomar posição sobre as questões da política direta, preservando o nosso ministério espiritual, da polémica que naturalmente acompanha o debate partidário. Foi por isso que não respondemos às diversas solicitações que nos foram feitas para que falássemos no período que antecedeu as últimas eleições legislativas.
E se o fazemos hoje, depois do Povo Português ter indicado, pelo seu voto, o rumo que deseja para Portugal, não é para comentarmos politicamente os resultados, mas porque achamos que a Palavra da Igreja pode ajudar a discernir o caminho da salvaguarda do “bem-comum” de toda a sociedade, no momento difícil que Portugal atravessa.
Verificámos que alguns líderes políticos, no calor da disputa eleitoral, referiram a Doutrina Social da Igreja para secundar as suas propostas políticas. Tinham o direito de o fazer, pois a vastíssima doutrina da Igreja sobre a sociedade pode, realmente, inspirar programas de governação. É nessa perspetiva que ousamos, neste momento particularmente delicado do nosso País, sublinhar os seguintes aspetos:
1. A prioridade do “bem-comum” de toda a sociedade sobre interesses individuais e grupais é um dos pilares da doutrina da Igreja sobre a sociedade e que pode, neste momento, inspirar as opções governativas. Vamos pôr o bem da sociedade em primeiro lugar. Isso exige generosidade de todos na colaboração e aceitação dos caminhos necessários, na partilha de energias e bens, na moderação das opções ideológicas e estratégicas. Partidos, sobretudo os seus representantes que o Povo elegeu, as associações laborais, empresariais e outras, são chamados à generosidade de defenderem os seus direitos e interesses, dando prioridade total ao bem de toda a sociedade...

Paz à sua alma!

Faleceu Ana Augusta de Jesus Teles do sítio das Eiras, paróquia de Santana. O seu funeral é nesta quinta feira 16 de Junho com Missa de corpo presente às 14h na igreja paroquial de Santana. Rezemos pelo eterno descanso da sua alma. PN; AM; GP.

domingo, 12 de junho de 2011

Concerto no início das celebrações dos 500 anos da criação da Diocese do Funchal - na Igreja de Machico

Palavras proferidas por Graça Alves na breve evocação da visita do Papa João Paulo II à Madeira, junto da sua estátua, no adro da Sé na abertura das comemorações dos 500 anos da criação da Diocese do Funchal

O tempo também se mede por passos. Como a vida. Como os homens que se põem a caminho para traçar novos rumos na História da Humanidade. O tempo que vale realmente a pena faz-se da matéria do amor. A Igreja é feita da mesma essência.

Falo, portanto de amor. Falo de um Homem que marcou trilhos de Deus no chão e amansou os mares para os nossos barcos. Fomos com ele à procura de Deus e encontramo-nos aqui, neste lugar onde o mar abraça a terra e os montes se erguem para o céu.

E agradecemos. Porque há 25 anos um homem santo pisou este chão, sagrado há 500. quando se fez Diocese. Nesse tempo como agora, a ilha continua a ser peregrina. E vai. Cristo descansa entre nós. Mudam os timoneiros, mas a Barca é a mesma.

 A minha voz de hoje é a voz desta diocese que, a caminho também, cruzou, um dia, os seus olhos com um Papa que, num momento fugaz mas eterno, cruzou o seu olhar com o desta terra  guardando-a dentro de si. Fomos com ele à procura de nós. Vamos com ele à procura do futuro que começa agora, no momento exacto em que, neste lugar, aos pés da memória, pretendemos construir o novo tempo.

Temos o seu sorriso doce a abraçar os nossos medos. Temos a sua protecção para o que há-de vir. Temos a imagem de Maria estampada nas velas. É Ela, Senhora de Fátima ou do Monte, que ilumina as noites das nossas tempestades.

Agora beato, o Papa João Paulo II ensina-nos o valor da paz, da misericórdia, da possibilidade de construir pontes entre os povos, entre as religiões, entre os homens.  
O tempo é de memória. O coração da ilha bate aqui. No centro da cidade. Na sede da diocese. Em nós.

Graça Alves 

Homilia de D. Rino Passigato, Núncio Apostólico, no Domingo de Pentecostes - Sé do Funchal, 12 de Junho de 2011

Abertura das Comemorações dos 500 Anos
da Criação da Diocese do Funchal
       1. É-me muito grato estar hoje, pela primeira vez, nesta Catedral do Funchal a presidir à celebração desta Santa Missa no início das comemorações dos Quinhentos Anos da erecção desta histórica e gloriosa Diocese, que foi criada – como sabemos – pelo Papa Leão X no dia 12 de Junho de 1514 e durante muito tempo foi a mais extensa do mundo e que tantos méritos tem na evangelização de outras terras, tendo dado orígem a varias outras Igrejas particulares como as de Goa, de Angra, de Cabo Verde, de São Tomé e São Salvador da Bahía.
Antes de mais nada, agradeço a Sua Excelência o Senhor Bispo Dom António José Cavaco Carrilho por me ter convidado para esta solene efeméride e por me conceder este privilégio.
Saúdo respeitosamente Sua Excelência o Senhor Representante da República, Sua Excelência o Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira e as demais Autoridades políticas, civis, judiciais, policiais e militares presentes.
Saúdo fraternalmente os caros irmãos sacerdotes, os diáconos, as pessoas consagradas, os seminaristas, os membros das diferentes Irmandades e dos Movimentos eclesiais, todos os fiéis leigos - as famílias, os jovens, as crianças, os doentes e anciãos. A todos e a cada um transmito a proximidade, as saudações mais afectuosas e a Bênção Apostólica do Santo Padre o Papa Bento XVI...

Palavras de D. António Carrilho, Bispo do Funchal, no início da Eucaristia Solene de abertura das celebrações Jubilares dos 500 anos da criação da Diocese do Funchal

Sé do Funchal, 12 de Junho de 2011
Excelência Reverendíssima, Senhor Núncio Apostólico: é com imensa alegria que, em meu nome e de todo o Povo cristão da Madeira, vos saúdo e dou as boas vindas. Sentimo-nos honrados com o privilégio desta vossa visita e auguramos as maiores Bênçãos para o vosso ministério, como Representante do Papa Bento XVI, em Portugal.
Vós sois para nós o “sinal da presença e caridade do Santo Padre” a quem desejamos expressar o preito do nosso amor à Igreja, em profunda comunhão e fidelidade ao Sucessor de Pedro. Muito obrigado, Excelência Reverendíssima, por ter aceite estar connosco nesta data tão significativa para toda a Diocese do Funchal, em júbilo e acção de graças pela sua criação, no dia 12 de Junho de 1514, pelo Papa Leão X.
Saúdo, com igual júbilo, as Excelentíssimas Autoridades presentes, senhores Bispos, Sacerdotes, membros dos Institutos de Vida Consagrada e todo o bom povo da nossa querida Diocese, em especial os membros desta grande Assembleia, vindos de perto ou de longe, numa verdadeira expressão de consciência e comunhão eclesial. Saúdo, também, quantos nos acompanham através da rádio e da internet.
A Diocese exulta e rejubila
Esta bela e artística Catedral do séc. XVI, mandada construir por D. Manuel I, transforma-se, neste dia de Pentecostes, num novo e amplo Cenáculo. Com a presença materna de Maria, aqui invocada como Senhora do Monte, nossa Padroeira, a Igreja do Funchal exulta e rejubila com a descida do Espírito Santo, dom do Pai, que ilumina, fortalece, purifica e renova a Igreja, na unidade e no compromisso generoso na missão.
Rezam as crónicas que, na aventura dos descobrimentos, as caravelas portuguesas sulcavam mares desconhecidos, sempre assinaladas com a Cruz de Cristo, significando a fé e a preocupação missionária, que esteve presente e patente, desde o início, em relação a todas as terras encontradas. E quanto à descoberta da Ilha da Madeira, em 1418, foram os filhos de S. Francisco, que à chegada celebraram a primeira Missa, em Machico, e ali iniciaram a evangelização das suas gentes...

Paz à sua alma!

Faleceu Isabel Martins do sítio do Pico Tanoeiro, paróquia de Santana. O seu funeral é quarta feira 16 de Junho com missa de corpo presente às 15h na Igreja paroquial de Santana. Rezemos pelo eterno descanso da sua alma! PN; AM; GP.

Paz à sua alma!

Faleceu Maria Olinda de Gouveia do sítio de Água d'Alto, paróquia do Faial. O seu funeral é nesta segunda feira 13 de Junho com missa de corpo presente às 15h na Igreja paroquial do Faial. Rezemos pelo eterno descanso da sua alma! PN; AM; GP.

Celebração de Acção de graças na Catedral às 15h30 - Diocese do Funchal foi criada há 497 anos

Trata-se de um aniversário que é comemorado todos os anos, no dia 12 de Junho, mas, hoje, com particular significado, porque é a data em que também se dá início às celebrações oficiais dos 500 anos da criação da Diocese.
Este acontecimento, como tem sido amplamente divulgado, conta com a presença de D.Rino Passigato, representante do Papa Bento XVI no nosso país e que está pela primeira vez no Funchal, a convite de D. António Carrilho.

Solenidade com cânticos pelo Coro da Catedral

O Coro da Catedral, que no passado dia 21 de Novembro celebrou o seu sétimo aniversário, vai interpretar os cânticos solenes da celebração de hoje, sob a direcção musical do compositor e maestro João Víctor Costa.
«Como pedras vivas desta Igreja diocesana do Funchal, o Coro da Catedral associa-se a estes 500 anos e recorda todos quantos, com a sua fé, esperança e trabalho dedicado, têm vindo a construir esta Diocese ao longo dos séculos».
«Até 2014, somos convidados a viver estes três anos de comemorações, a renovar ideais, princípios, ideias, e a actualizar novos métodos para evangelizar, sobretudo, no que a nós, enquanto Coro, diz respeito: a animação litúrgica das Eucaristias», disse Benvida Carvalho ao Jornal da Madeira.
«A memória desta caminhada de 500 anos, porém, não pode reduzir-se a um mero recordar factos e pessoas. O jubileu é sempre, na perspectiva bíblica, o tempo de retomar um caminho de vida, com renovadas forças e esperanças, um relançar as redes nas águas mais profundas do hoje da nossa realidade, dinamizando a acção evangelizadora rumo ao amanhã, que vem surgindo com todos os seus desafios», refere a presidente do Coro da Catedral.
«Ao relembrarmos alguns passos da nossa Diocese, percebemos o quanto foi e é importante a caminhada que ela tem feito até aqui: as celebrações eucarísticas partilhadas; as vigílias; os encontros de oração; as celebrações específicas; os momentos de comunhão; os projectos pastorais que muitas vidas transformaram», acrescenta.
Por isso, «celebrar 500 anos é pensar nos passos dados e projectar o futuro. E é com este propósito que participamos na concelebração Eucarística de hoje, presidida pelo Núncio Apostólico, D. Rino Passigato. O Coro da Catedral sente-se extremamente honrado por ter sido convidado a dinamizar liturgicamente a Eucaristia desse Domingo, marcando o início das comemorações dos 500 anos da sua Diocese. Que os nossos corações permaneçam em festa e, em tudo, dêmos graças ao Senhor!», sublinha.

D. Rino Passigato destaca importância da diocese do Funchal - Núncio realça «raízes cristãs»


O Núncio Apostólico em Portugal está na Madeira, a convite de D. António Carrilho, para presidir ao início das comemorações dos 500 anos da criação da Diocese. «Para mim é uma ocasião para viver um momento importante na história deste país, desta realidade que é a Madeira, desde o ponto de vista cristão, religioso, mas também humano, social e cultural», disse aos jornalistas, à sua chegada ao Aeroporto. D. Rino Passigato, recordou que a Diocese «tem uma história muito importante porque durante muito tempo foi a mais extensa, a maior no mundo. Daqui saíram muitos missionários que a pouco a pouco deram origem a outras dioceses no mundo, na África, na Ásia e América do Sul, sobretudo no Brasil», recordou.
Por outro lado, sublinhou que a “identidade” e as “raízes” permanecem actuais e que as “comemorações” dos 500 anos dão disso testemunho. «A identidade cristã e católica nestas terras ninguém pode esquecer, é uma realidade patente e histórica e objectiva», considerou.
«Então é muito importante para nós sublinhar que temos uma história, somos o que somos porque temos raízes, e é comemorar a pensar nessas raízes que nos ajuda a purificar a nossa realidade de hoje e também fortalecer o nosso espírito e o nosso desejo de corresponder ao que Deus, na sua providência, decidiu para nós», acrescentou.

Papa em Portugal em 2017
D. Rino Passigato admitiu, por outro lado, que Bento XVI possa regressar ao nosso país em 2017, para o centenário de Fátima, como desejo expresso na visita do ano passado; mas não garantiu a hipótese de, também nessa altura, se deslocar a outras “parcelas” do território.
«Se Deus quiser ele gostaria de estar novamente em Portugal, agora é difícil dizer se vai aos Açores ou Madeira, ou a todas regiões de Portugal»; até porque «o programa das visitas papais é elaborado a cada ano», explicou.

“Papa-móvel” na homenagem a João Paulo II
O “Papamóvel”, veículo que conduziu o Papa João Paulo II na sua visita histórica à Madeira, em 12 de Maio de 1991, vai estar presente na homenagem que hoje lhe será prestada junto à estátua que se encontra no adro da Sé do Funchal.
A cerimónia decorrerá após a concelebração eucarística das 15h30, na Catedral, presidida pelo Núncio Apostólico.
Nessa ocasião, será também recordada a presença do saudoso Papa entre nós através de um filme, tendo sido instalado para o efeito um écrã de televisão.

Entidades oficiais saúdam D. Rino

Várias entidades oficiais - civis, religiosas e militares, estiveram ontem no Aeroporto da Madeira para as boas-vindas ao Núncio Apostólico, D. Rino Passigato, nomeadamente: o Representante da República, Ireneu Barreto, o Presidente da Assembleia Legislativa, Miguel Mendonça, o Presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim, o Bispo do Funchal, D. António Carrilho, o Arcebispo Emérito, D.Maurílio Gouveia, o Bispo Emérito, D.Teodoro Faria, o Vigário Geral, cónego Fiel de Sousa e o Coordenador das Comemorações, Pe. Héctor Figueira.

Programa da visita, hoje, contempla Missa e concerto

D. Rino Passigato preside hoje, às 15h30, a uma concelebração eucarística na Sé do Funchal, na abertura das comemorações dos 500 anos da criação da Diocese; após a qual decorrerá uma evocação da visita do Papa João Paulo II à Madeira (Maio de 1991), junto à sua estátua no adro da Sé.
O dia termina com um concerto na igreja Matriz de Machico.

Cerimónia no adro da Sé com textos e cânticos especiais
O Bispo do Funchal dirigirá uma palavra breve na evocação da visita do Papa João Paulo II; o Núncio Apostólico colocará um ramo de flores junto à estátua do saudoso Pontífice, no adro da Sé; um leigo apresentará uma oração; e serão entoados dois cânticos: um, relativo à visita do Papa à Madeira e outro da sua beatificação, em Maio passado.

sábado, 11 de junho de 2011

Novos Catecismos apresentados hoje e segunda-feira

A apresentação dos novos Catecismos do 4.º e 5.º ano decorrerá na Universidade Católica (edifício do Colégio, Praça do Município, Funchal) hoje dia 11 de Junho, de manhã e na próxima segunda-feira, dia 13 de Junho, em horário pós-laboral, às 19h30.
A iniciativa é do Departamento da Catequese da Infância e Adolescência, Secretariado Diocesano da Educação Cristã, e vai contar com a presença da Mestre Luisa Boléo, formadora na Diocese de Lisboa, que também foi conferencista no Dia diocesano do Catequista, que decorreu ontem na Ribeira Brava.
Naquele dia foi recordado que “o catequista também é um profeta, aquele e aquela que leva a Boa Nova de Jesus á comunidade e que ser catequista é uma vocação nobre”.
Deste modo os catequistas que participaram naquele evento diocesano ganharam novo alento para continuarem com entusiasmo e dedicação a sua actividade junto das crianças, adolescentes e jovens nas mais diversas localidades.

Ontem na Ribeira Brava - Dia do Catequista realçou missão evangelizadora


«Peregrinos da Beleza Infinita» foi o tema desta Jornada, inspirado nas palavras de Bento XVI em Portugal e na temática anual do projecto pastoral diocesano.
Cerca de mil catequistas das diversas paróquias da Diocese do Funchal participaram ontem nas actividades do Dia do Catequista que decorreu na freguesia da Ribeira Brava.
«Peregrinos da Beleza Infinita» foi o tema desta Jornada, inspirado nas palavras de Bento XVI em Portugal e na temática anual do projecto pastoral diocesano, que decorrerá entre 12 de Junho de 2011 e 2012, centrado na pessoa divina do Pai, que é Beleza Infinita. A reflexão deste Dia foi orientada pela mestre Luísa Boléo.
D. António Carrilho, que presidiu à celebração da Eucaristia, que assinalou o encerramento daquele evento, salientou na homilia que “nós que somos Igreja aqui estamos nesta festa da Palavra, da fé, da missão, festa da nossa responsabilidade pois somos chamados e enviados para transmitir a Palavra de Deus e a experiência da Fé aos mais pequeninos e aos maiores, mantendo a responsabilidade que a Igreja tem de dar continuidade a si mesma e à sua missão de evangelizar”.
Recordou que “o dia 10 de Junho tornou-se na nossa diocese numa festa que os catequistas já não podem prescindir”, acentuando que o Dia do Catequista é uma ocasião para o encontro, para o convívio e para a formação. O prelado funchalense, depois de fazer reflexões a propósito das leituras proclamadas na Missa, sublinhou que “a acção que os catequistas realizam é voluntária e parte do coração e isso faz com que todos assumam esta tarefa com alegria, ainda porventura com sacrifício, mas com a consciência daquilo que estão a fazer porque entra na confiança em Cristo vivo e ressuscitado, ao serviço do qual nós nos colocamos”.
Acentuou a importância do testemunho pessoal de cada catequista que “deve acompanhar o anúncio da Palavra. Se nós vivemos e não testemunhamos aquilo que anunciamos, a nossa palavra não é digna de crédito”, acrescentando que “o testemunho é a grande força que faz vingar o anúncio da Palavra que transmitimos”.
D. António Carrilho agradeceu o trabalho desenvolvido pelos catequistas e destacou a dedicação e a generosidade de todos os catequistas e fez um apelo a que “continuem a vossa missão evangelizadora. Se puderdes fazer melhor muito bem, mas que cada catequista procure, numa entrega generosa, aprofundar os conhecimentos e preparar-se para que a responsabilidade da missão seja também reconhecida naquilo que exige de nós em serviço concreto que nos propusemos voluntariamente e que nos dispomos nas nossas comunidades”.
Recordou que amanhã se inicia o ciclo de comemorações dos 500 anos da Diocese do Funchal e fez um convite para a participação de todos nessa grande assembleia diocesana que terá lugar na Catedral.
A concluir a homilia destacou a importância da catequese para a formação das famílias cristã e desejou que “cada catequista dê graças a Deus que nos chamou e nos envia numa missão tão nobre e tão digna. E que cada qual assuma as suas fragilidades e expresse a vontade de fazer mais e melhor”.
A liturgia foi preparada pelo arciprestado da Ribeira Brava e Ponta do Sol.

quarta-feira, 8 de junho de 2011


Aceda a página das Paróquias de Faial, Santana e Ilha com o seu Iphone ou um telemóvel com sistema Android. É necessário ter uma aplicação que leia códigos de barra ou códigos QR. Depois é só navegar na nossa página!

Dia Diocesano do Catequista


Na próxima sexta-feira, 10 de Junho, no Pavilhão Luís Mendes, junto ao Conservatório e ao antigo campo de futebol da Ribeira Brava, acontece o Dia Diocesano do Catequista de 2011. Este ano o evento conta com a inscrição de mais de um milhar de catequistas.
«Peregrinos da Beleza Infinita» é o tema do Dia dos catequistas na nossa diocese, este ano, inspirado nas palavras de Bento XVI em Portugal e na temática anual do projecto pastoral diocesano, entre 12 de Junho de 2011 e 2012, centrado na pessoa divina do Pai, que é Beleza Infinita.
Dentro deste tema, cada paróquia elaborou um cartaz, que a identifica. Este será entregue naquele Dia, durante o acolhimento, às 9h e 30, explicou ao JM o director do Secretariado de Educação Cristã / Departamento de Catequese, Pe. Héctor Araújo Figueira.
D. António Carrilho, Bispo do Funchal, estará presente nesta jornada, na celebração eucarística prevista às 16 horas; nessa ocasião será entregue uma recordação do Arciprestado da Ribeira Brava e Ponta do Sol a um representante dos catequistas de cada paróquia.
A liturgia está a ser preparada pela paróquia Ribeira Brava. O transporte está a cargo dos participantes.
Apresentação de novos Catecismos no Funchal
Os novos Catecismos para o 4º e o 5º anos serão apresentados sábado (11 de Junho) no Funchal, na Universidade Católica (edifício do Colégio, na Praça do Município), às 10 horas; e na segunda-feira, dia 13 de Junho, às 19h e 30.
Esta apresentação será feita por Luísa Boléo, da equipa da catequese da Diocese de Lisboa.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Memória Histórica da Criação da Diocese do Funchal

500 Anos da Criação da Diocese do Funchal
Pequena memória histórica
1.     Origem
O Arquipélago da Madeira, doado no dia 26 de Setembro de 1433 à Ordem de Cristo “para todo o sempre no espiritual” por El-Rei D. Duarte, dependia sobretudo, desde o dia 13 de Março de 1456, da Vigararia de Tomar, que, pela Bula “Inter Coetera” do Papa Calisto III, tinha jurisdição espiritual sobre todos os domínios do ultramar, com poder para erigir e conferir benefícios eclesiásticos.
2.     Criação da nova Diocese
A Diocese do Funchal foi criada pelo Papa Leão X, a pedido de D. Manuel I, Rei de Portugal, no dia 12 de Junho de 1514, pela Bula Pro excellenti praeeminentia. Foi seu primeiro Bispo D. Diogo Pinheiro, membro da Ordem de Cristo, Vigário de Tomar.
3.     A maior Diocese do Mundo e ardor missionário
Com o crescimento do Império Português multiplicaram-se os missionários que acompanhavam os nossos descobridores e desenvolviam importante acção evangelizadora.
Perante tão grande e prometedor florescimento da fé e para que a acção da Igreja se tornasse mais eficaz, urgia uma nova organização eclesiástica.
Viu o problema El-Rei D. João III e, para resolvê-lo, pediu ao Papa Clemente VII que criasse as dioceses de S. Miguel, nos Açores, de S. Tiago de Cabo verde, de S. Tomé e de Santa Catarina, em Goa; e que elevasse a metropolitana e a Primaz a Catedral do Funchal, dando-lhe, como província, as quatro novas dioceses e toda a costa de África, que entesta com a diocese de Safi, o Brasil e todas as terras descobertas e por descobrir.
Na mesma altura apresentou ao Sumo Pontífice, para arcebispo da nova arquidiocese, D. Martinho de Portugal, embaixador junto do Vaticano.
O Papa Clemente VII atendeu o desejo do monarca e, no dia 31 de Janeiro de 1533, elevou o Bispado do Funchal a Arcebispado e deu-lhe, como território, o mais vasto dado até hoje a uma diocese.

ABERTURA DAS COMEMORAÇÕES DOS 500 ANOS DA CRIAÇÃO DA DIOCESE DO FUNCHAL

ABERTURA DAS COMEMORAÇÕES
DOS 500 ANOS DA CRIAÇÃO DA DIOCESE DO FUNCHAL
 
Programa da Visita do Senhor Núncio Apostólico à Madeira
(11 – 13 de Junho 2011)

 -----------------------------
Breve Biografia: Monsenhor RINO PASSIGATO, Embaixador da Santa Sé em Portugal e Decano do Corpo Diplomático acreditado no nosso país, nasceu a 29-03-1944, em Bovolone (Verona, Itália), foi ordenado sacerdote a 29-06-1968, nomeado Arcebispo de Nova de César em 16-12-1991, com a Ordenação episcopal a 06-01-1992. É doutor em Direito Canónico e entrou para o serviço diplomático da Santa Sé em 1973 cumprindo missão nas Representações Pontifícias nos Camarões, na Austrália, no Egipto, na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos da América e como Observador Permanente Adjunto da Santa Sé junto da OEA. Foi núncio Apostólico no Burundi [1992-1996], na Bolívia [1996-1999, no Peru [1999-2008] e, actualmente, em Portugal desde 08-11-2008.
----------------------------------------
 
Sábado, 11 de Junho
 
- Chegada ao Aeroporto da Madeira às 11h00, no voo TP 1615, recebendo cumprimentos das autoridades presentes e seguindo, depois, para a Casa Episcopal.
 
- À tarde, visita ao Santuário de Nossa Senhora do Monte e outros lugares significativos.
 
- Às 20h00, recepção e cumprimentos, com jantar oferecido por Sua Excelência o Presidente do Governo Regional, na Quinta Vigia.
 
Domingo, 12 de Junho
 
- Durante a manhã, visita à cidade do Funchal.
 
- Às 15h30, na Sé do Funchal, preside à Solene Concelebração Eucarística de Abertura das Comemorações dos 500 anos da criação da Diocese do Funchal, terminando com uma breve evocação da visita do Papa João Paulo II à Madeira, junto da sua estátua, no adro da Sé.
 
- Às 21h00, preside ao concerto com os coros e instrumentais do Gabinete Coordenador de Educação Artistica da SREC, na Igreja Matriz de Machico, localidade onde foi celebrada a primeira Missa, pelos padres franciscanos, após a chegada à Madeira.
 
Segunda-feira, 13 de Junho
 
- Às 11h05, partida do Aeroporto da Madeira, no voo TP1612, com destino a Lisboa.

Palavra do Sr. Bispo - Em júbilo e acção de graças!

A Diocese do Funchal foi criada pelo Papa Leão X, no dia 12 de Junho de 1514, com a Bula Pro excellenti praeminentia. É, pois, com imenso júbilo que anuncio aos nossos diocesanos da Madeira e Porto Santo o início das celebrações jubilares dos 500 anos da Diocese, no próximo dia 12 de Junho, Domingo de Pentecostes. À tarde teremos uma solene Eucaristia, na Sé, presidida pelo Senhor Núncio Apostólico, e um concerto, à noite, na igreja matriz de Machico, localidade onde foi celebrada a primeira Missa pelos padres franciscanos, na chegada à Madeira.
Desde já aqui deixo um convite a todos os sacerdotes, membros de Institutos de Vida Consagrada e outras instituições da Igreja, e a todo o Povo de Deus em geral – um convite, especialmente, para a grande assembleia Eucarística, na Sé do Funchal, mas também, sendo possível, para o Concerto, em Machico.
Ao longo dos próximos três anos, de acordo com o projecto pastoral preparado para esse efeito, celebraremos as maravilhas do Senhor pelas graças recebidas ao longo destes cinco séculos e procuraremos fazer um percurso conjunto de renovação pastoral e comunhão eclesial, em toda a Diocese.
Confiamos à Santíssima Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo, o nosso desejo e empenho conjunto de edificar comunidades cristãs vivas e apostólicas, renovar as nossas festas e tradições, reavivar e intensificar o espírito missionário das instituições da Igreja, que se há-de apresentar, cada vez mais, como verdadeira “Igreja em Missão”! (lema das comemorações)
Funchal, 2 de Junho de 2011
† António Carrilho, Bispo do Funchal

Logótipo dos 500 anos da Diocese do Funchal

1.      Destaca-se o vermelho da cruz da Ordem de Cristo, que primeiro teve o encargo espiritual do arquipélago da Madeira, legando-a à futura Diocese do Funchal, espalhada por outras ilhas e continentes.
2.      Os navegadores quinhentistas ostentavam aquela cruz nas velas, enfunadas pelo vento como sugerem as bandeiras trianguladas características das festas católicas. A ação do vento, graficamente expressa neste logótipo pela sobreposição de contornos sombreados, evoca a missionação.
3.      Ouro significa sobrenaturalidade na iconografia cristã; constância na heráldica… Surge nos algarismos. Refirma-se a comemoração pela dimensão do número 500, correspondente ao aniversário.
4.      Procura-se ainda legibilidade em carateres que exprimem também a austeridade e antiguidade de Diocese do Funchal, sob a cor da onda que a envolve e lança na Missão.
Padre Héctor Figueira
Coordenador dos 500 Anos da Diocese

Mensagem de Bento XVI para o 45.º Dia Mundial das Comunicações Sociais

Verdade, anúncio e autenticidade de vida, na era digital

Queridos irmãos e irmãs!
Por ocasião do XLV Dia Mundial das Comunicações Sociais, desejo partilhar algumas reflexões, motivadas por um fenómeno característico do nosso tempo: a difusão da comunicação através da rede internet. Vai-se tornando cada vez mais comum a convicção de que, tal como a revolução industrial produziu uma mudança profunda na sociedade através das novidades inseridas no ciclo de produção e na vida dos trabalhadores, também hoje a profunda transformação operada no campo das comunicações guia o fluxo de grandes mudanças culturais e sociais. As novas tecnologias estão a mudar não só o modo de comunicar, mas a própria comunicação em si mesma, podendo-se afirmar que estamos perante uma ampla transformação cultural. Com este modo de difundir informações e conhecimentos, está a nascer uma nova maneira de aprender e pensar, com oportunidades inéditas de estabelecer relações e de construir comunhão.

Paz à sua Alma!

Faleceu Maria José de Jesus Caires Martins da Achada do Pampilhar, paróquia de Santana. O seu funeral é sexta feira 3 de Junho, com Missa de corpo presente às 14.30h na igreja paroquial de Santana. Rezemos pelo seu eterno descanso. PN, AM, GP.

Rezar cantando

Alguma música

O tempo em Santana